Dica para o final de semana em Vitória: conhecer a Rota de São Benedito

Um percurso rico em história e cultura, contadas pelos moradores e por painéis artísticos gigantes, e que leva a um antigo farol, de onde se pode apreciar uma vista de 360º para a Grande Vitória. Essa é a Rota de Turismo Comunitário de São Benedito, com um quilômetro de extensão, que será lançada neste sábado (7), às 9h, a partir da Praça Jair de Andrade, no bairro de mesmo nome.

“A ideia da Rota surgiu com a grande procura do local por universitários, ciclistas, mochileiros, ambientalistas e trilheiros. Pessoas que já frequentam a comunidade, interessadas na paisagem, na área verde e no Farol de São Benedito. Daí, foi identificada a oportunidade de criar a Rota, que vai movimentar a economia local, potencializar o turismo e levar uma visão mais digna e humanizada do bairro”, explica o secretário municipal de Cidadania, Direitos Humanos e Trabalho, Marcello Rodrigues.

Para fazer o percurso, são indispensáveis tênis, roupas confortáveis e, detalhe, fones de ouvidos, para conhecer mais do lugar e das histórias disponíveis em QR Code nos pontos de visitação. “Aqui o turista vai encontrar artesanatos, comidas, água, sucos e muitas histórias de vida durante a rota”, diz Valmir Dantas, líder comunitário e guia. 

Lançamento da rota
No lançamento, a Banda de Congo Amores da Lua vai dar o ritmo da festa. O trajeto começa na Praça Jair de Andrade, ponto final da linha 031, e culmina no Farol Morro Grande ou Farol de São Benedito, que fica a 208m de altitude, uma das mais altas entre os faróis do Brasil. No mesmo dia será lançado o site www.rotadosaobenedito.com.br e a rede social @rotadosaobenedito, com informações mais detalhadas sobre os pontos de visitação, além do link para agendamento de guias, que são moradores e comerciantes locais.  

A Rota do São Benedito foi idealizada pelo Ateliê de Ideias, dentro do Projeto Economia do Bem. Ela foi desenvolvida com a participação dos moradores e com recursos da Prefeitura de Vitória, por meio de Edital do Fundo Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor. O projeto foi conduzido pela Gerência de Qualificação do Trabalhador da Secretaria Municipal de Cidadania, Direitos Humanos e Trabalho (Semcid), em parceria com a “Cidade Quintal”.

Rota de Turismo Comunitário de São Benedito
Em todo o percurso, os monumentos serão descritos em painéis gigantes nos comércios e moradias, e os visitantes também poderão conhecer detalhes por meio de mensagens gravadas em áudio (audiotours), produzidas e roteirizadas pela historiadora Luara Zucolotto, na parceria com a “Cidade Quintal”.

Abaixo, alguns textos baseiam-se na pesquisa realizada pela historiadora: 
Ponto 1 – Praça Jair de Andrade
Conhecida como praça de São Benedito, é um local de convivência entre vizinhos. Um painel indica o trajeto e explica cada etapa do circuito histórico-cultural do bairro.

Ponto 2 – Lavanderia Comunitária
“No início da ocupação do bairro não tinha água encanada chegando diretamente nas casas. Então, uma atividade do dia a dia de muitas mulheres era vir até aqui para lavar as roupas. Imagina o perrengue! […]”.

Ponto 3 – Bar do Seu Manoel
O bar do Seu Manuel era o único imóvel com número na época, nº 220. Ali eram deixadas as cartas e contas a pagar da comunidade, e Seu Manoel organizava tudo em uma caixa de sapato, por ordem alfabética, sobre o balcão. Ali na frente, havia um orelhão, um dos primeiros telefones públicos na região, e na loja de Seu Manoel eram vendidas as fichas telefônicas. Nas palavras da historiadora, era “Praticamente uma central de comunicações do bairro! […]”.

Bar do Seu Manoel.

Ponto 4 – Dona Nailma
“[…] Aqui é um lugar de homenagem a uma mulher que tem muita história para contar, uma das primeiras moradoras do São Benedito, que teve suma importância nesse bairro, Dona Nailma. […]”.

Ponto 5 – Igreja do São Benedito
Neneca, filha de Dona Maria José de Alves Araújo, uma das construtoras da capela de São Benedito, conta a história dessa igreja e de como a imagem do santo chegou até ali.

Ponto 6 – Maria Sururu
Maria das Graças dos Santos, popularmente conhecida como Maria Sururu, é marisqueira e junto com o marido construiu sua história no bairro. Os dois continuam ativos na profissão.

Maria Sururu.

Ponto 7 – Farol do São Benedito
Uma plataforma colorida e um banco colorido, construído com tampinhas de garrafa pet, oferecem descanso para quem chega ao ponto mais alto da comunidade. O Farol de São Benedito também é conhecido, entre navegantes, como Farol do Morro Grande. Construído em 1962, é constituído por uma torre de 12m de altura e fica a 208m de altitude. Com o alcance luminoso de 20 milhas náuticas (cerca de 34 km), ele já foi um dos importantes sinalizadores do acesso ao canal de Vitória, auxiliando as tripulações rumo ao Porto de Vitória.

Banco Bem
“Você já imaginou o que é articular nove comunidades periféricas que não se entendiam para juntas lutarem por um objetivo em comum? Essa é uma conquista de que o Banco Bem, nosso banco comunitário de São Benedito, se orgulha e constrói até hoje! (…)”.

Serviço
Ativação da Rota de Turismo Comunitário de São Benedito e lançamento do site
Dia 7, a partir das 9h (previsão de retorno ao ponto de partida às 11h)
Ponto de Encontro: Praça Jair de Andrade (ponto final da Linha 031)
Percurso simples, necessita calcados (tênis) e roupas adequadas. É importante levar fone de ouvido para escutar as histórias disponíveis em QR Code.

fotos Radan Brendon/PMV

0 Comentários

Deixe uma resposta

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>